Posts com tag “microchip

Big Brother: à serviço da Nova Ordem Mundial

Para tristeza minha e de muitos, no próximo dia 13 de janeiro vai ao ar pela “Caixa de Pandora” mais uma edição de uma das maiores imbecilidades da história da televisão mundial — o Big Brother Brasil 9, um programa que, à partir do começo de 2002, aportou em telas brasileiras após se tornar sucesso em outros países e, desde então, tem sido um dos passatempos prediletos nas noites de milhões de telespectadores tupiniquins, cumprindo assim, com eficácia, a sórdida missão para a qual foi projetado. Quanto a isto nos ocuparemos nas próximas linhas na busca de tornar manifesto, a quem interessar, a trama verdadeira subjacente a trama fajuta que, edição após edição, tem caracterizado esta repugnante produção televisiva.

Antes que alguém me chame de fundamentalista e coisas do gênero, sugiro que antes tenha a paciência de ler o que tenho a dizer acerca deste insidioso construto travestido de entretenimento e, se, ao término da leitura, achar que faço jus ao adjetivo acima, tudo bem, sou fundamentalista mesmo, admito, embora, não o seja no sentido em que o termo se revestiu atualmente por força da mídia politicamente correta.

Abaixo um breve histórico do BBB disponível no próprio site da emissora responsável pela produção e exibição do programa:

“Surgiu na Holanda uma idéia que virou febre mundial. No dia 16 de setembro de 1999, para explorar o espírito voyeur de seus telespectadores, o canal holandês Veronica lançou o primeiro programa de TV da série Big Brother, na qual pessoas comuns eram vigiadas por câmeras 24 horas por dia. Logo no ano seguinte, o fenômeno se espalhou por outros 19 países, como Alemanha, Espanha, Estados Unidos, Inglaterra, Portugal, Suíça, Suécia e Bélgica. Em todos eles, o programa virou sinônimo de sucesso e audiência. Seus participantes e vencedores tornaram-se celebridades da noite para o dia e faturaram enormes fortunas em prêmios. A partir do começo de 2002, a febre mundial se confirmou por aqui, fazendo com que milhões de brasileiros acompanhassem diariamente o cotidiano da primeira leva de confinados. O último programa, exibido no dia 2 de abril, atingiu média de 59 pontos de audiência. A explosão também se repetiu na internet, onde o site do BBB bateu recorde e chegou a registrar 1.185.000 visitantes apenas no mês de março.” [1]

Como se percebe acima, a própria emissora confirma que o sucesso de seu programa aposta no voyeurismo dos telespectadores, nutrido pela permanente exibição monitorada dos participantes, protagonistas de cenas e situações que vão da sensualidade exacerbada ao drama piegas, tudo isto, na busca por fama e dinheiro fácil. Isto bastaria para nos indispormos com o programa, porém, não é apenas isto, há algo de maior gravidade que envolve o Big Brother do qual falaremos agora.

O nosso antagonismo em relação ao BB decorre do fato de percebermos nele os seguintes propósitos:

1-Visa a ser um poderoso instrumento de condicionamento da sociedade, ao sistema vindouro de monitoramento populacional e de controle social, que exigirá a entrega voluntária da liberdade e privacidade individuais das pessoas, em favor de um Estado totalitário global.

2- Visa a ser um difusor do conceito de Família Global, como parte do programa da Nova Era que pretende destruir o modelo de Família Tradicional para os próximos anos.

Para quem não está familiarizado com a agenda da elite global para o estabelecimento da Nova Ordem Mundial, isto pode parecer um absurdo. Contudo, para aqueles que, ao contrário, estão cientes de tal agenda, a suspeita aventada se torna evidente.

Na verdade, a própria expressão “Big Brother” foi tomada emprestada do romance de George Orwell, a obra 1984. O livro, escrito em 1949, é fruto da experiência do próprio autor enquanto agente de polícia incumbido de estabelecer o comunismo na Espanha.

À exemplo de Martinho Lutero que, antes de se tornar o grande Reformador, viajou para Roma na ilusão de conhecer a grande cidade e, após conhecê-la, se decepcionou com o que ali encontrara, o que contribuiu para fazê-lo romper com o Catolicismo, Orwell também fez a viagem de sua vida para conhecer a URSS, berço do Comunismo ao qual servia, porém, ao tomar conhecimento do totalitarismo opressor característico do regime, voltou de lá estarrecido e disposto a escrever uma obra que servisse de denúncia contra toda a forma de tirania existente. O Big Brother de Orwell é um tirano fictício construído por um Estado totalitário do pós-guerra, que exerce um rígido controle sobre a sociedade fazendo-a se adequar ideologicamente e à força, se preciso, ao sistema imposto. Um dos instrumentos de controle da sociedade é as chamadas “teletelas”, um tipo de televisão que está presente a todo momento junto as pessoas gerando e absorvendo imagens que são monitoradas pelas autoridades – um monitoramento 24 horas por dia. Vale ressaltar que a sociedade do livro de Orwell vivia sob um mesmo modelo político-econômico e que os países haviam sido unificados numa única estrutura regional comandada pelo Big Brother. Isto não nos parece familiar?

O romance de George Orwell nos soa quase profético, afinal, o que ele abstraiu há mais de meio século, vem se materializando gradualmente de uma forma surpreendente, guardado é claro, as devidas proporções. A tecnologia evoluiu tanto nos últimos tempos que a ficção do Big Brother de 1984 já não nos remete para uma era futura. Já existe atualmente a tecnologia necessária para se criar um sistema de monitoramento global de cada indivíduo no planeta.

micro

Por exemplo, os chamados microchips tem ganhado repercussão na mídia pela sua aplicabilidade em várias situações como rastreamento de animais marinhos, cães domésticos, automóveis e, mais recente, algumas pessoas, temendo seqüestros, tem recebido o implante subcutâneo do dispositivo. Há ainda outros instrumentos de igual sofisticação como os de Identificação Biométrica e as microcâmeras de vigilância que cada vez mais estão presentes no cotidiano das pessoas.

Não apenas já existe tecnologia para o propósito citado, como também tem havido um forte condicionamento para a aceitação do mesmo. A propaganda do combate ao terrorismo é um exemplo disto. Logo após os atentados do 11 de setembro os governos americano e europeus empreenderam uma série de medidas que, em tese, tinham a finalidade de combater a ameaça terrorista. Na ocasião uma intensa campanha de conscientização da sociedade americana quanto a necessidade de abrirem mão de algumas liberdades individuais e de privacidade foram exaustivamente exploradas na opinião pública. E pra quem acha que isto é paranóia de teórico de conspiração a notícia abaixo é reveladora:

Resumo da notícia: “Projeto dos EUA prevê super Big Brother. Da Folha de S.Paulo, 29/12/2002- 05h48

“O pior pesadelo dos adeptos das teorias da conspiração parece ter sido concretizado. O Departamento da Defesa dos EUA está desenvolvendo um programa cujo objetivo é permitir que o governo rastreie os movimentos de todos os seus cidadãos para prevenir “ataques terroristas”.Gastos com cartão de crédito, saques de dinheiro em caixas eletrônicos, históricos escolares, compras em supermercados, livros retirados em bibliotecas, sites visitados na internet, números de telefone discados, registros de pedágios e muitos outros dados de cada um dos cerca de 290 milhões de americanos e estrangeiros nos EUA serão reunidos em um banco de dados gigante”.

Até o logotipo do programa parece ter sido elaborado para aterrorizarem paranóicos. Nele, o Grande Selo do EUA _onde figuram o símbolo do “olho que tudo vê”, associado à onisciência divina, e uma pirâmide_, presente nas notas de dólar, é modificado e passa a jogar um facho de luz sobre o globo terrestre. O lema do departamento é “Scientia est potentia” (conhecimento é poder).

O autor da matéria acima ingenuamente prefere acreditar que um órgão sério como é o Departamento de Defesa dos EUA escolheu o símbolo da pirâmide maçônica apenas para brincar com alguns desconhecidos “teóricos de conspiração”. Se ele pesquisasse com suas próprias lentes, ao invés de ficar fazendo coro com a mídia mancomunada com a elite global, descobriria que o tal símbolo realmente significa o que representa, ou seja, a elite global, que opera através das ordens secretas — a Maçonaria é apenas uma delas — é a grande orquestradora das medidas anunciadas pelo órgão de defesa americano e, não apenas daquele governo, mas possivelmente dos governos das principais nações. Quem viver verá.

Assim, do modo como as “teletelas” encontram um equivalente na tecnologia atual, o Estado totalitário global do Big Brother parece estar ganhando forma diante de nossos olhos. Os acontecimentos atuais como a crise financeira mundial, o aquecimento global, os conflitos regionais, a fome, o terrorismo internacional etc. parecem estar conduzindo o mundo para um futuro governo único mundial como é do desejo da elite global da Nova Ordem.

Que o programa televisivo BB é uma invenção dos proponentes da Nova Ordem visando o condicionamento da sociedade para a subserviência voluntária ao seu sistema não nos resta dúvida. Um dos maiores símbolos ocultistas da elite global parece nos dizer algo à respeito:

publicacao2

Será apenas coincidência que o chamado “olho que tudo vê” da pirâmide maçônica nos lembre o olho do BB? Isto não nos incomodaria se não soubéssemos que a Maçonaria, e demais ordens secretas espalhadas pelo mundo, estão trabalhando há mais de dois séculos para o estabelecimento do governo mundial. A pirâmide acima simbolicamente representa uma construção, uma obra, que descobrimos ser a Nova Ordem Mundial pelas expressões latinas presentes acima e abaixo da pirâmide: “ANNUIT COEPTIS =anunciando o nascimento da NOVUS ORDUM SECLORUM= Nova Ordem Mundial.

Neste espectro, o BBB serve aos propósitos da Nova Ordem ao se colocar como um poderoso instrumento de engenharia social, ao manipular as massas, condicionando-as, inconscientemente, a aceitarem o sistema de monitoramento global vindouro, o qual terá, como objetivo, o controle social de seus habitantes.

Contudo não é apenas este préstimo que o BBB tem para a NOM. Uma das metas deste emergente sistema maligno é a ruptura com tudo o que se relaciona com a Antiga Ordem, a qual se firma sob os antigos valores da tradição judaico-cristã. Mais explicitamente me refiro aquelas grandezas que moldaram a consciência e o comportamento da sociedade até a era presente, tais como: Deus, verdade, moral, Igreja, família, ética etc. A agenda da NOM prevê uma ruptura drástica com todas estas leituras totalizantes, e oferece uma releitura que, se colocada em prática pela sociedade mundial, o que infelizmente parece estar acontecendo, significará o seu fim.

Uma palavra sintetiza toda esta maldita releitura — relativização. Sim, eles pretendem relativizar tudo o que diz respeito aos antigos valores, sendo um dos principais alvos a combalida família tradicional, esta, como a célula máter da sociedade e sua principal instituição, tem sido covardemente solapada pela agenda da NOM se valendo de um gigantesco trabalho de engenharia social operando através da mídia de massa

Aqui, novamente o BBB oferece seus serviços ao “estuprar” milhões de famílias reunidas nas salas de suas residências, ao propagandear veladamente e insidiosamente o conceito novaerista de Família Global.

A Família Global está atrelada ao conceito de Aldeia Global. Nela, ao contrário do modelo tradicional, não é os pais os responsáveis pela formação intelectual, moral e espiritual dos filhos, mas sim o mundo, a nova consciência global. No BBB, portanto, temos este modelo novaerista de convívio. Ali, uma minialdeia global, composta de pessoas de diferentes aspectos — estético, racial, sexo, ideológico, religioso etc. — se caracteriza pela ausência de um núcleo familiar equilibrado composto pela figura paterna e materna. Na verdade, o confinamento promove o desgaste do núcleo familiar pela vulgarização do relacionamento entre os parceiros que se formam ao longo do programa, os quais não se constrangem em serem publicamente expostos para todo o país em suas performances de mútua promiscuidade e libertinagem. Tudo isto como passatempo para o “exaustivo” trabalho dos “sofredores” participantes em busca de fama e fortuna a quem Pedro Bial, num surto psicótico, chama de “heróis”. O saldo desta conta tem sido a desagregação da já moribunda família tradicional brasileira que trocou os poucos momentos que tinha para estreitarem o vínculo familiar pela corrosiva performance do BBB. E por falar em conta, quem de fato paga a conta do BBB é a classe média e a massa de assalariados que a cada paredão correm ao telefone para darem suas “contribuiçãozinhas”.

O BBB funciona ainda para a NOM como a política romana do panem et circenses — pão e circo — que objetivava oferecer comida e diversão para o povo em detrimento de suas liberdades e como contenção de conflitos, ou seja, a comida e a farra mascarava a intenções do Estado.

Finalmente, o que discutimos até aqui em relação ao emergente sistema totalitário global, o qual tem se valido dos instrumentos de mídia de massa como o BBB pra fazer avançar sua agenda, foi antecipado há mais de 2000 mil anos atrás pela Bíblia Sagrada. Mais precisamente no livro de Apocalipse capítulo 13 versículos 16 e 17 nos é revelado algo deste maligno sistema:

“E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas, Para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome.”

O contexto do capítulo acima revela que nos últimos dias um sistema opressor mundial imporá sobre a humanidade uma política de dominação total, onde todos, indistintamente, deverão se lhe submeter. Uma das exigências de tal sistema é a aceitação por parte dos cidadãos de um tipo de dispositivo (marca) que será colocado no corpo das pessoas, conforme acima especificado, para que as mesmas possam ter o direito de comprar e/ou vender, o que subentende-se , deverá também, ser um instrumento de monitoração social tal como revela ser o badalado microchip. Logo, programas tipo o BBB estariam desde já programando mentalmente as massas a se tornarem receptivas a idéia de serem monitoradas num futuro não muito distante. Que Deus tenha misericórdia destas pessoas e as faça enxergar a verdade a tempo!

Recapitulando, basicamente o BBB é um programa voltado para o entretenimento fútil e o entorpecimento intelectual dos telespectadores, e que se sustenta da curiosidade lasciva das pessoas (incluindo “crentes”) direcionada aos estereótipos de beleza idealizados pela mídia, e que protagonizam um festival de sentimentalismo barato, pieguices desvairadas e sensualidade explícita, já tendo por pretexto, uma possível sessão de fotos eróticas numa revista do gênero.

Agora, em suas raízes mais profundas, o BBB, uma versão brasileira de um programa produzido em vários países, é um instrumento de condicionamento das massas para torná-las passivas diante do futuro estado de monitoramento global da Nova Ordem Mundial. É simples, as pessoas assistem um BB, cuja tônica é marcada pela falta de privacidade das pessoas, haja vista que por toda a casa há várias câmeras de monitoramento, e acabam por se tornar, por condicionamento, indiferentes e até mesmo receptivas a idéia. Num futuro não muito distante, tais pessoas já não oferecerão resistência quando for dito a elas que precisarão abrir mão de suas privacidades em favor do sistema.

O BB trabalha também a idéia da família global como construto advindo do conceito de aldeia global (família segundo modelo da nova era). Tal modelo, consiste da ausência de um núcleo familiar, de uma autoridade central (pai e mãe) e dos valores tradicionais da família. No lugar da família tradicional pretende-se adotar um modelo descentralizado onde todos convivem com senso de coletividade sem, contudo, estarem submissos moralmente a qualquer autoridade, seja a dos pais, seja da religião e até mesmo a de Deus.

Agora, o mais triste em tudo isto é o grande número de “crentes” que se dizendo “equilibrados” conseguem ficar diante deste ultraje ao Senhor nosso Deus, mas não conseguem dispor cinco minutos por dia em leitura bíblica, oração e consagração a Ele.

Infelizmente parece que o plano da NOM vai indo de vento em popa, afinal, como diziam os romanos: “Vulgus vult decipi” — o povo gosta de ser enganado.

[1] http://bbb.globo.com/BBB7/Internas/0,,BUN0-7532,00.html

 

Você está mentalmente e espiritualmente preparado para os dias difíceis que brevemente sobrevirão sobre toda a terra? Sente que há algo de errado com o mundo em que você vive? Há uma incomodação interior que aflige tua alma e não sabes o porquê ? Há uma resposta. Visite a Sala de Parto e, experimente o novo nascimento!!