Os evangélicos e as eleições de 2010

eleições 2010

Nunca em toda a história do evangelicalismo brasileiro se viu um engajamento tão grande dos evangélicos com o atual pleito eleitoral. Tal engajamento foi desencadeado pelo temor de que, face ao resultado das eleições, poderia no próximo governo se desencadear uma perseguição ao povo evangélico por conta do conflito resultante entre leis que seriam aprovadas e o conjunto de crenças e princípios defendidos pelos mesmos. Nesta disposição, todo o arsenal, espiritual e material disponível, e-mail, folhetos, sermões, orações, cartas, reuniões, interseções, atos proféticos, marketing etc foi usado pelo povo evangélico para impedir que determinada candidata saísse vitoriosa nas urnas. È bem verdade que muitos líderes evangélicos se aproveitaram da vulnerabilidade emocional de seus liderados e se utilizaram deste temor como instrumento de legitimação para se lançarem candidatos aos mais diversos cargos eletivos. Contudo, a parte disto, será que o temor do povo evangélico se justifica, ou estariam sofrendo de véspera?

Penso que o fato de tal candidata vir a governar o país, ou ser substituída pelo  seu vice, tido por muitos como sendo satanista, não deveria significar que estamos à beira de uma grande perseguição, de uma iminente “temporada de caça aos crentes”. Não, a coisa não funciona assim da noite para o dia, especialmente num país tal como o Brasil.

Além de sermos um país de tradição democrática, possuidor de uma constituição que nos garante a liberdade religiosa, somos um país considerado de esmagadora maioria cristã, incluindo católicos e evangélicos, o que significa muito para ser desconsiderado em favor de uma aberta e explícita perseguição, no curto prazo, nos moldes dos regimes totalitários, como países comunistas, islâmicos etc.

Soma-se a isto o fato de que, no país que se chama Brasil, onde as leis são mais retóricas do que práticas, vide a impunidade e o descaso como são tratadas, principalmente pelos políticos, estas, uma vez aprovadas, dificilmente são colocadas em prática, obedecidas e executadas de forma imediata e/ou duradoura. Logo, mesmo diante da aprovação de leis que, em tese, vão contra os princípios cristãos, ou objetivem o cerceamento de práticas cristãs conflitantes com estas leis, penso que a efetiva observância e aplicabilidade das mesmas, dado o presente cenário, somente se fará sentir a longo prazo, isto considerando um contexto de relativa tranquilidade.

Agora, um olhar mais atento irá concluir que estamos diante de um fenômeno que está sendo construído diante de nossos olhos e sem que o percebamos, e que estará diretamente relacionado à uma provável perseguição aos cristãos em geral, a “esquerdização da América Latina”. Aqui, considerando que falar de esquerda é falar de ímpeto comunista, podemos sim esperar para os próximos anos um contexto não muito animador para os cristãos, sejam católicos ou evangélicos pois, o comunismo em essência, é ateu, amoral, antifamilia, antireligião, enfim, anticristão.

Contudo, creio que há um fator que possa de fato desencadear uma grande perseguição imediata, no curto prazo, e este fator é uma ruptura. Algo abrupto, repentino, um contexto de grande crise que mude a ordem interna e crie o ambiente propício e favorável a perseguição. Tal fator, a meu ver, pode ser encontrado numa iminente guerra mundial, numa grande crise nacional, como uma revolução, ou catástrofe de abrangência nacional, ou a combinação de ambas. Uma vez instalado o caos, instrumento de mudanças utilizado pelos regimes totalitários, um cenário de perseguição pode ser contemplado.

Caso esta ruptura não aconteça, principalmente decorrido o famigerado ano de 2012, tido por muitos como o marco decisivo para as grandes mudanças que sobrevirá a terra, a tendência natural é que a perseguição aos cristãos vá se cristalizando à medida que os lunáticos e inconseqüentes marxistas venham a consolidar o acalentado sonho de se implantar a URSAL ( União das Repúblicas Socialistas da América Latina), uma versão latinoamericana da antiga URSS. Caso isto aconteça, como parece provável, os cristãos terão motivo de sobra para temer a perseguição.

O que nos resta como cristãos é permanecermos atentos, vigilantes.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s